• Translate to

    Arabic Arabic Chinese (Simplified) Chinese (Simplified) Dutch Dutch English English French French German German Italian Italian Portuguese Portuguese Russian Russian Spanish Spanish

Executivo conta como manter 120 restaurantes empresariais funcionando em meio ao caótico cenário nacional

WhatsAppFacebookLinkedInTwitterGoogle+EmailCompartilhar

Uma aptidão do empreendedor brasileiro é a reinvenção. O nosso empresário foi obrigado a desenvolver características como reação rápida diante das situações adversas, flexibilidade e jogo de cintura. Afinal, para fazer negócio no Brasil é preciso se reinventar a cada crise, a fim de minimizar os impactos da instabilidade política e econômica do Brasil. E como então manter um negócio em meio a tudo isso: greves, crises de abastecimento, alta do dólar e dos combustíveis, sem perder a qualidade e é claro, a esperança?

Enquanto grande parte das empresas de refeições empresariais pararam diante dos problemas enfrentados pela última paralisação, o que, por sua vez, provocou a parada de muitas indústrias, a Exal – Excelência em Alimentação, se manteve firme ao longo de toda a crise. Roberto Costa de Oliveira, presidente da empresa responsável por 120 restaurantes de norte a sul do país, o segredo é criatividade e determinação. “Durante os últimos dias, enfrentamos a ausência de entregas dos nossos fornecedores principais – desde hortifrútis e carnes, até estocados secos e gás GLP – e uma logística desafiadora dos restaurantes situados entre o Rio Grande do Sul à Bahia. Muitos pararam, mas nós não, conseguimos manter todos os restaurantes em funcionamento, mesmo com algumas reduções ou alterações de cardápio e uma breve exceção”, avalia.

Prejuízo x reconhecimento

Para Oliveira, a essência de tudo foi contar com uma equipe altamente motivada. A empresa montou um comitê de crise que se reunia duas vezes por dia, para avaliar as múltiplas situações. A velocidade na troca de informações e as ações incisivas foram, para ele, parte importante nesse processo. “Nossos 1.500 colaboradores e a rápida atuação do comitê foram fundamentais para que tudo corresse bem, sem eles nada seria possível. Afinal, liderança ativa nesta situação é essencial para incentivar as equipes, repetindo nosso compromisso com o cliente, e aproveitando a oportunidade para mostrar nossos diferenciais”.

Os reflexos da greve ainda aparecem no abastecimento, por isso é importante saber como se adequar. Segundo o gestor, tanto no período crítico, como agora, a preocupação foi se adaptar sem perder a qualidade. “Na busca frenética por matérias-primas faltantes, não descuidamos da alta qualidade a que nos propomos. Apesar de inesperado, a responsabilidade pela qualidade estava sempre à frente, não usamos nenhuma matéria-prima que representasse risco, apesar de alguns cardápios terem sofrido reduções para conservação de insumos”, complementa.

O esforço da empresa surtiu efeito. “Recebemos diversos e-mails dos clientes elogiando a nossa performance e confirmando a nossa parceria estratégica”, conta. A empresa ainda não calculou os prejuízos derivados da crise, mas Oliveira afirma que nada será repassado aos clientes. “Para nós, o comprometimento com o cliente e a confiança que ele deposita em nossos serviços são sagrados. Por isso, em vez de aumentar preços, a nossa estratégia é fortalecer ainda mais a nossa política de custos. Empreender é justamente reagir positiva, construtiva e tenazmente às constantes ameaças, em especial às totalmente inesperadas”, finaliza o empresário.

309 Total Views 1 Views Today
Marcado , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO

    CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO