• Translate to

    Arabic Arabic Chinese (Simplified) Chinese (Simplified) Dutch Dutch English English French French German German Italian Italian Portuguese Portuguese Russian Russian Spanish Spanish

A importância do Planejamento Tributário para micro e pequenas empresas

WhatsAppFacebookLinkedInTwitterGoogle+EmailCompartilhar

Diversos sinais, como o aquecimento da economia e as mudanças na política, indicam que 2018 será um bom ano para micro e pequenas empresas. No entanto, para aproveitar essas oportunidades e vencer todos os obstáculos, é preciso estar preparado. Um levantamento do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) revelou que 95% das empresas no Brasil pagam mais impostos do que deveriam, por isso uma análise nas contas e um planejamento tributário são essenciais para fazer o negócio decolar.

Heber Dionizio, Contador da Contabilizei, escritório responsável pela contabilidade de mais de 5 mil empresas em todo o Brasil, defende um bom planejamento como chave para o crescimento em 2018. “O empresário tem que usar os aprendizados da crise dos últimos anos para se planejar melhor. Reduzir custos e melhorar a eficiência é obrigação daqui para frente.” alerta. Confira algumas dicas que a Contabilizei preparou para ajudar os empreendedores a se prepararem para 2018:

Encontre o regime tributário ideal.

No Simples Nacional, por exemplo, vários impostos são reduzidos ou até isentos, como a tributação de 20% sobre a folha de pagamento para a maioria dos anexos. Além disso, o custo da contabilidade para este regime costuma ser mais barato, uma vez que os impostos são simplificados e emitidos em uma única guia, a DAS.

Em outros casos, o enquadramento no Lucro Presumido ou no Lucro Real pode trazer mais vantagens, como aponta a contadora da Contabilizei Adrielle Freitas: “No setor da medicina, onde o ISS pode ser fixado, o Lucro Presumido acaba sendo uma melhor opção frente aos outros regimes. Já o Lucro Real é indicado para empresas que têm prejuízos contábeis frequentes, pois neste caso elas não pagam IR, o que costuma deixar o imposto mais vantajoso”.

Reduza os impostos – sem descumprir a lei!

Existem alguns detalhes que muitas vezes o empresário desconhece. As empresas do Simples Nacional, por exemplo, são isentas da retenção de impostos na fonte pagadora. Na prática, quando você vende um serviço (com algumas exceções) para outra empresa ela deve descontar do seu pagamento os valores referentes aos tributos federais como IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. Mas, se a sua empresa for do Simples Nacional você já paga esses tributos na sua DAS e, de acordo com a lei, está isento desta retenção.

Preveja o futuro!

Evite que o imposto seja aplicado na sua empresa antes mesmo de ele nascer. Um bom exemplo é por meio do CEPOM – Cadastro de Prestadores de Outros Municípios. Normalmente, você já paga o ISS no seu município mas, quando emite uma nota fiscal referente a um serviço prestado em outra cidade, precisa pagar o ISS para esta outra cidade também. “É uma bitributação que muita gente paga e nem sabe que poderia evitar, realizando este cadastro. A dica é entender as cidades onde você fará negócios e se adiantar. Até porque o imposto que incide sem o CEPOM costuma ser de 5% do valor total da nota.” conta Heber.

Organize pagamentos, ganhe fôlego.

Muitas vezes adiantar um pagamento gera desconto, mas este desconto nem sempre ajuda mais do que ter dinheiro no caixa para outras dívidas. É importante saber organizar o fluxo e definir corretamente as prioridades.

191 Total Views 1 Views Today
Marcado , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO

    CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO
  • Receba nossas notícias