• Translate to

    Arabic Arabic Chinese (Simplified) Chinese (Simplified) Dutch Dutch English English French French German German Italian Italian Portuguese Portuguese Russian Russian Spanish Spanish

Os desafios da nova geração de fintechs

WhatsAppFacebookLinkedInTwitterGoogle+EmailCompartilhar

Por João Miranda

Desde que o termo fintech surgiu, esse tipo de empreendimento que une a tecnologia e inovação com os serviços financeiros, tem se expandido no mundo todo, inclusive no Brasil. Em dados divulgados pela Conexão Fintech, que monitora o setor, apenas em 2016 foram US$ 161 milhões investidos na área, o que rendeu ao Brasil o 8º lugar nesse mercado.

Nesse cenário, novas empresas despontam com soluções para suprir gaps como microcrédito, dados, investimentos, transferências de recursos internacionais e pagamentos. Porém, com a presença dominante de tradicionais companhias financeiras, muitas fintechs enfrentam impedimentos para se estabelecer. Apesar da variedade de produtos que essas startups oferecem, a escalabilidade e a distribuição de seus serviços ainda são alguns dos entraves a serem resolvidos.

Um dos principais desafios é a burocracia nos processos financeiros e o domínio das grandes corporações que dificultam a inserção de novos players. O outro é a integração com as tecnologias das empresas existentes, já que algumas delas atuam com o mesmo sistema há 20 anos.

Por exemplo, fintechs de soluções de pagamentos enfrentam uma infinidade de regulamentações do setor, como a recente revisão da circular 3.765 do Banco Central, a qual prevê a liquidação centralizada das transações de cartões obrigatoriamente via câmera de pagamento a partir de setembro. Quando se fala do mundo físico, a barreira de entrada é ainda maior, principalmente devido à segurança das transações.

Esses desafios fornecem o cenário ideal para a inovação e soluções que geram mais valor para os usuários, como o surgimento de bancos digitais que reinventaram o relacionamento entre Banco e Cliente.

Pensar em tecnologias integradas seria uma forma de preparar o mercado financeiro para essa nova realidade para fugir das grandes companhias, como uma fintech de pagamentos atrelada à outra com foco em microcrédito. Além disso, ter uma visão geral do mercado e procurar os melhores parceiros para distribuir o produto deve ser o principal diferencial para que as companhias sejam capazes de escalar.

João Miranda é fundador da Hash lab, empresa de tecnologia para o ecossistema de meios de pagamentos.

365 Total Views 1 Views Today
Marcado , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO

    CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO