Tecnologia móvel vai agregar US$ 1 trilhão à economia norte-americana até 2020, revela estudo da GSMA

O setor de telefonia móvel da América do Norte vai valer quase US$ 1 trilhão por ano para a economia da região até 2020, de acordo com um novo estudo da GSMA. O novo relatório, “The Mobile Economy: North America 2016” (A Economia Móvel: América do Norte 2016), prevê que o papel pioneiro da região da América do Norte em áreas como o 5G, Internet das Coisas (IoT), cidades inteligentes e carros conectados verá o setor responder por 4,5% (US$ 1 trilhão) do PIB regional projetado até o final da década, acima dos 3,6% (US$ 710 bilhões) do ano passado. O relatório foi publicado pelo evento “GSMA Mobility Live! – América do Norte” que acontece em Atlanta, de 1 a 2 de novembro, em colaboração com o Metro Atlanta Chamber.

“Graças aos bilhões de dólares em investimentos feitos por operadoras móveis em suas redes em anos recentes, a América do Norte é líder no uso e adoção de dispositivos móveis, caracterizados por enormes níveis de consumo de dados móveis”, disse Michael O’Hara, diretor de Marketing na GSMA. “A decisão recente dos EUA de identificar a abrir o espectro de serviços 5G – ao lado de sua liderança no mercado de IoT – confirmou que a região é um dos mercados móveis mais avançados do mundo e que está liderando a próxima onda de inovação móvel.”

Grande adoção do uso de smartphones e do 4G motivando a explosão do fluxo de dados móveis

A América do Norte é um dos mercados móveis mais amadurecidos do mundo e isso se reflete em suas altas taxas de penetração de assinantes e forte aceitação de banda larga móvel e smartphones. Havia 284 milhões de assinantes exclusivos de telefonia móvel1 na região no final de 2015 (equivalente a 79% da população), um número que deverá aumentar para 315 milhões (85% da população) até 2020.

Os smartphones representam 75% das conexões móveis da região2, a maior taxa de adoção de smartphones a nível mundial, enquanto mais de metade das conexões estão sendo realizadas em redes 4G. Esta situação está promovendo o enorme crescimento do uso de dados, principalmente devido aos serviços de vídeo. Calcula-se que o streaming de vídeo em redes 4G representará mais de três quartos do consumo de dados até 2020. A Cisco estima que até o final da década, o consumo de dados por assinante na América do Norte chegará a quase 9 GB por mês, superior aos cerca de 2 GB por assinante por mês em 2015.

Um crescente contribuinte para a economia da América do Norte

A indústria móvel norte-americana apresentou uma contribuição total de US$ 710 bilhões para a economia da América do Norte em termos de valor agregado no ano passado, equivalente a 3,6% do PIB anual da região3. Em 2020, espera-se que esse número aumente para quase US$ 1 trilhão (4,5% do PIB), uma vez que a região experimenta um forte crescimento da produtividade devido à rápida adoção de novas tecnologias móveis, como as comunicações máquina a máquina (M2M) e o aumento da digitalização do setor e dos serviços.

O setor também apoiou direta e indiretamente mais de 2,3 milhões de empregos na região em 2015 e fez uma contribuição fiscal para os governos da região de US$ 82 bilhões. Isto está além dos US$ 46 bilhões obtidos através de leilões de espectro nos EUA e Canadá durante o ano.

Operadoras que promovem a Internet das Coisas

O relatório destaca várias áreas onde a região da América do Norte está motivando a inovação móvel, particularmente na Internet das Coisas. Ele observa que havia mais de 60 milhões de conexões M2M de celulares na região no final de 2015, respondendo por quase 15% do total de conexões móveis e com previsão de 30% até 2020. Os dispositivos de IoT também estão sendo conectados por diversas tecnologias que não são de celulares; novas redes de baixa potência de área ampla (LPWA), por exemplo, estão sendo implantadas na América do Norte, utilizando tanto o espectro licenciado quanto o não licenciado. As operadoras na região, incluindo a AT&T e Verizon Wireless estão adotando o padrão LTE-M para utilizar a infraestrutura do 4G para os serviços de LPWA.

As operadoras, os órgãos governamentais e vários outros participantes do setor também estão colaborando para a implantação de novos serviços para ajudar a realizar o potencial das cidades inteligentes na América do Norte, enquanto as operadoras promovem o desenvolvimento de redes e aplicativos móveis 5G. A tecnologia e indústrias automotivas da América do Norte também estão liderando o desenvolvimento dos setores de carros conectados e de carros autônomos e autodirigidos.

“Enquanto o crescimento de assinantes e smartphones está amadurecendo, as operadoras de telefonia móvel da América do Norte estão procurando conectar agora uma crescente variedade de outros dispositivos, desde carros até aviões não tripulados, e promover a aplicação da Internet das Coisas”, acrescentou O’Hara. “A região é o lar de muitas das empresas mais inovadoras no ecossistema móvel mais abrangente, e fluxos de capital de risco para o setor móvel continuam a apresentar um crescimento saudável. O setor também se beneficiou de um ambiente regulatório, em geral favorável, como evidenciado pelos esforços de normalização e ao se facilitar a primeira onda de implementações 5G.”

O novo relatório “The Mobile Economy: North America 2016” é de autoria da GSMA Intelligence, a divisão de pesquisa da GSMA. Para acessar o relatório integral e infográficos relacionados, visite: http://www.gsma.com/mobileeconomy/northamerica/

Marcado , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.