Diretor de TI da Delta: “Este é o momento de transformar a tecnologia em uma vantagem competitiva”

Criado em Mumbai na Índia, Rahul Samant aprendeu cedo o valor de trabalho árduo e humildade.

“Cresci em uma família de classe média, vivendo em uma casa de 35 metros quadrados com meu pais e um irmão mais velho. Éramos, sem dúvidas, uma família próxima”, brinca. “Mas o que nos faltava em bens materiais, sobrava em amor e humor”.

Após se formar em engenharia eletrônica pela Universidade de Mumbai, Samant se mudou para Londres para trabalhar como programador de software. Foi a primeira vez que estava longe de casa e a sua primeira vez em um avião.

“Foi um choque cultural e eu tive que amadurecer rapidamente”, disse Samant.

Conforme ele começou a crescer na carreira profissional, os valores ensinados por sua família tornaram-se uma força orientadora, lembrando-o constantemente onde havia chegado e do futuro que havia sonhado em construir.

“Sempre soube que queria ser o diretor de TI de uma grande empresa, portanto conduzi minha carreira profissional nesta trajetória”, lembra ele.

Após 23 anos atuando no setor financeiro no American International Group (AIG) e Bank of America, Samant começou a trabalhar na Delta em fevereiro, um caminho que ele nunca imaginou, mas que diz que tem sorte por ter encontrado.

No AIG, Samant era diretor digital, responsável pela estratégia digital de toda a empresa, incluindo o desenvolvimento de programas para engajamento de clientes, novos modelos de negócios e processos operacionais digitalizados. Antes do AIG, trabalhou em diversas posições no Bank of America, incluindo um período de dois anos como diretor de TI na divisão de gestão patrimonial da empresa e outros três anos como o diretor de TI para canais dos clientes.

Trabalhando há apenas seis meses na Delta, Samant recebeu a ligação que todos os diretores de TI temem: os sistemas de TI caíram, impactando operações em todo o mundo. Pelas próximas 72 horas, ele liderou a equipe de TI da Delta durante os esforços para a recuperação e assegurou que uma falha como esta nunca ocorreria novamente.

Antes desta ligação, Samant já havia começado a trabalhar nos estágios iniciais de uma longa transformação de TI em infraestrutura, aplicativos, cibersegurança e dados – partes vitais de cada aspecto da experiência dos clientes e funcionários.

Em uma entrevista recente para o Delta News Hub, o novato na indústria de aviação compartilhou suas percepções sobre seu novo cargo, quais são os outros líderes em tecnologia que o inspiram e como um de seus projetos preferidos tornou-se um trabalho real.

unnamed-53

Delta News Hub: Qual é o papel da tecnologia em uma companhia aérea como a Delta?

Samant: A Delta é a companhia aérea mais confiável do mundo e o setor de TI desempenha um papel fundamental em manter as aeronaves voando de maneira segura e sendo pontuais. Estas são coisas fundamentais.

A interrupção operacional que enfrentamos recentemente demonstra o quanto é importante um alicerce sólido e reforçado de TI para a nossa operação. Toda a equipe de liderança está comprometida em assegurar que isto não ocorra nunca mais na Delta.

Ter uma sólida infraestrutura de TI é essencial para alcançar nosso objetivo de melhorar a experiência de nossos clientes do começo ao fim, de uma maneira envolvente e ininterrupta. Portanto, continuamos a entregar cada vez mais funcionalidade diretamente aos nossos clientes por meio dos canais móveis e web, ao mesmo tempo que equipamos nossos funcionários com as ferramentas necessárias para entregar o melhor atendimento ao cliente na indústria.

Nunca deixo passar a oportunidade de conversar com um comissário de bordo sobre a funcionalidade de seu tablet SkyPro ou seguir os agentes de solo para verificar como o novo rastreamento de bagagens RFID está sendo implementado. Sempre busco novas maneiras para me infiltrar nos processos internos da nossa operação. E conforme a tecnologia se transforma, nós vamos ouvir, aprender e atender as necessidades de nossos clientes e funcionários.

DNH: Qual é o projeto mais importante que está trabalhando ou que está focado neste momento?

Samant: Aqui na Delta, embarcamos em uma longa jornada com diversas fases para transformar o setor de TI e oferecer uma experiência mais confiável para nossos clientes e funcionários.

Nossa missão tem dois lados. Queremos tornar a tecnologia uma fonte de vantagem competitiva para a Delta, não apenas como uma função de apoio, mas também como uma parceira de escolha que não é utilizada somente em caso de necessidade. Também estamos focados em contratar novos talentos e em manter uma força de trabalho extremamente qualificada. Finalmente, nosso objetivo é mesclar aqueles com conhecimento na indústria da aviação com os que possuem experiência em tecnologias modernas, como Cloud, API e dispositivos móveis.

Em maio, a Delta lançou o Comfort+, uma classe com poltronas que contêm mais espaço para as pernas e amenidades adicionais como cerveja artesanal e vinho cortesias. Oferecer este tipo de tarifa para compra requer que a Delta mude os aplicativos móveis e para a web, assim como os sistemas de reservas, atendimento ao cliente, entre outros.

Em abril, lançamos nossa nova e aprimorada intranet para os funcionários, a Deltanet, que com o tempo será um ponto de entrada único para uma ampla variedade de recursos

Além disso, a Delta implementará diversos projetos interessantes no setor de TI até o fim do ano, incluindo o “Flight Family”, focado em aprimorar a comunicação durante o processo de embarque e o lançamento de nossas novas rotas para Cuba.

O projeto de comunicação “Flight Family” tem como objetivo aprimorar a eficácia da comunicação por meio de um sistema de mensagens entre as equipes que trabalham juntas para conseguir que os voos sejam sempre pontuais. Este projeto piloto incluirá como participantes comissários de bordo, agentes de portão, funcionários de operações e do atendimento ao cliente em voos selecionados.

O lançamento do serviço para Cuba é outro importante projeto na lista de tarefas do setor de TI. As pessoas às vezes não sabem o trabalho que é necessário para lançar uma nova rota, desde aplicativos de hardware e software até a conectividade para instalar estações de trabalho em diversos aeroportos. É muito demorado e o setor de TI participa de todo o processo.

DNH: O que você acha que torna um líder bem-sucedido? Como você descreveria seu estilo de liderança?

Samant: Liderança consiste em impulsionar a mudança, especialmente em nosso mundo dinâmico. Para liderar bem, é necessário invocar o compromisso e inspirar.

Meu estilo se baseia em três princípios básicos. Primeiro, valorizo a humildade e a sinceridade

Segundo, vivo por três conceitos – confiança, transparência e trabalho em equipe.

Terceiro, eu lidero as pessoas e gerencio o trabalho. Quando você faz o oposto, arrisca tornar-se um líder em microgerenciamento. O mais importante em uma jornada transformadora, como a que estamos embarcando, é criar uma visão realística de nossa companhia aérea baseada em uma tecnologia confiável, consistente e inovadora, alinhar a equipe com esta visão e torná-la parte da jornada para o sucesso.

DNH: Qual foi o maior desafio ou dificuldade em sua carreira e como fez para superar isto?

Samant: Em 2008, trabalhava como diretor de TI para a divisão de gestão patrimonial do Bank of America e estava responsável pela integração de uma aquisição. Apesar de verificações rigorosas terem ocorrido, a conversão da conta foi um desastre. Muitas razões levaram a isto, mas eu como líder, assumi toda a responsabilidade.

Liderei os esforços de recuperação e reuni nossos colegas na área de negócios e as equipes de TI e operações para resolvermos os problemas, conta por conta. No momento, me situava em Boston mas tive que me mudar para a cidade de Nova York durante dois meses, até que a situação estivesse sob controle.

DNH: Qual é sua maior conquista e como ela te influenciou?

Samant: Em 1998, como parte de um projeto final para o meu MBA na Wake Forest University, pesquisei e escrevi um trabalho recomendando que a empresa na qual trabalhava naquele momento, Bank of America, globalizasse suas operações de TI. Pelos próximos 24 meses, distribui o projeto para diversos executivos em níveis muito mais altos que o meu.

Finalmente, encontrei um patrocinador que me ofereceu ajuda e pediu para transformar meu projeto em um trabalho de período integral. Quando terminei de implementar o novo programa, tínhamos uma rede global de centros integrados em três continentes diferentes.

Mais ou menos, foi como se fosse um empreendedor e catalizador de mudanças em uma grande empresa Fortune 500. Tive acesso a diversas disciplinas em toda a empresa, de financiamentos transfronteiriços a contratações de recursos humanos ou transações imobiliárias…e eu era apenas um funcionário de TI com 30 e poucos anos!

DNH: Que palavras de sabedoria e conselhos de carreira você gostaria de transmitir aos outros?

Samant: Nunca coloque sua carreira no piloto automático. Se seus objetivos não forem claros, você nunca saberá qual caminho deve tomar e é possível que nunca se sinta satisfeito em seu trabalho.

E quanto aos contatos, qualidade supera a quantidade. Invista naqueles relacionamentos e conseguirá estes contatos com o tempo. Lembre-se, para criar uma rede de contatos é necessário alimentá-la quando você não precisa, não o contrário.

Veja a entrevista completa em http://news.delta.com/diretor-de-ti-da-delta-este-o-momento-de-transformar-tecnologia-em-uma-vantagem-competitiva

Marcado , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.