"Economia Verde" abre primeiro dia da Conferência Greenbuilding Brasil

“Se você estiver construindo um prédio nos Estados Unidos, de alto padrão mas sem certificação LEED, tente ir ao banco conseguir um financiamento. Vão te dizer não. Disseram para mim”. A história de Paul Hawken causou risos na plateia de congressistas da Greenbuilding Brasil 2013 – Conferência Internacional e Expo, e serviu para explicar como o selo criado pelo Green Building Council criou um novo padrão para a construção sustentável.

A palestra do ambientalista, autor e empreendedor norte-americano foi um dos pontos altos da abertura do evento. Aos participantes, ele deixou algumas de suas principais mensagens, muitas inclusas em seu livro Carbono – o Negócio da Vida. “Pequenas coisas podem fazer uma grande diferença. Como? Vocês são projetistas. E é isso o que têm feito até agora”. As imagens exibidas eram fotos de rios poluídos em São Paulo, incêndios próximos a Los Angeles e a destruição causada pelo furacão Sandy, em Nova York. “Este não é o futuro. Ao mesmo tempo, fala-se sobre mudanças climáticas como se essas fossem o fim do mundo, na esperança de que esse medo neutralizasse a ação. Não acho que esteja funcionando. “Hell doesn’t sell”. Quem quer comprar inferno? Ninguém. Mas é mais fácil imaginar o fim do mundo do que um mundo transformado”.

“Existe a expectativa de que um tratado internacional possa resolver os problemas do mundo, como Kyoto. Isso não vai acontecer. Não é uma questão em escala internacional. As cidades é que são a chave para unir as pessoas, são a unidade básica onde a civilização acontece. No entanto, elas precisam ser entendidas como tecnologia, e não somente pontos geográficos. Elas podem ser projetadas para capturar nutrientes, não desperdiçar, não gerar tanto barulho. Alguns pensam que a urbanização é uma das principais causas do aumento demográfico, mas é exatamente o contrário. Nas cidades crianças não são força de trabalho. No campo, sim. Então, a chave para mudarmos o mundo é o design de cidades e a reimaginação de nossas vidas. Eu tenho uma boa notícia, o mundo velho está morrendo, e não estamos mais enxergando prédios como objetos”.

“As cartas estão na mesa, e não há salvação individual. Esquecemos de que nós mesmos somos vida. Então pergunto a vocês: seu produto aumenta vida ou diminui vida? A mudança climática está acontecendo em você ou por você? A mudança climática pode ser o elemento que nos fará pensar diferente, e a fonte dessa mudança será o carbono. O carbono é o elemento químico que dá as mãos e colabora, é nosso aliado, e não o inimigo. É hora de mudarmos conceitos sobre arquitetura, e não fala apenas de prédios verdes, mas cidades. E precisamos amar a vida, pois a solução reside na natureza. Este é o começo, e não o final”, finaliza o ambientalista.

GREENBUILDING BRASIL COMEMORA CRESCIMENTO DA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL & EXPO E PREVÊ EVENTO MUNDIAL DO GBC EM 2014

“Nosso evento cresce porque nossas empresas têm orgulho em exibir o que possuem”, declarou Felipe Faria, Diretor Gerente do Green Building Council Brasil, que realiza a 4ª edição do Greenbuilding Brasil, com organização da Reed Exhibitions Alcantara Machado. “Os números mostram sucesso. Hoje somos um dos principais eventos de sustentabilidade no mundo, e estamos com a presença de 29 países aqui. Ano que vem, faremos no Brasil o World Greenbuilding, e esperamos reunir 97 países”. Paulo Octávio Pereira de Almeida, vice-presidente da Reed Exhbitions Alcantara Machado, promotora e organizadora do evento, levou aos presentes outros números positivos. “Esperamos 8 mil pessoas na feira, que nesta edição tem 113 marcas de 30 setores da economia. Em nossa pesquisa, descobrimos que os maiores fatores de visitação da feira e conferência são a busca por conhecimento, novidades e networking. Em três dias de evento, serão 120 palestras”.

ESPECIALISTAS EM REDUÇÃO DE CO2 E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DISCUTEM SOBRE ECONOMIA VERDE NO GBC 2013

A solenidade de abertura do Greenbuilding Brasil 2013 foi seguida de palestra de Ricardo Neuding, da ATA/Sinduscon-SP que apresentou o Guia Metodológico para Inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa na Construção Civil. Para ele, é necessário “integrar o setor da construção civil num esforço de gerenciamento dos gases do efeito estufa”. Entre os pontos importantes está a uniformização dos critérios. Por isso, o guia reuniu normas do GHG Protocol, ABNT e ISO 14064. “No canteiro de obras a emissão de CO2 é baixa, não passa de 5% do total. O grande impacto está na fabricação dos materiais de construção. Cimento e aço são os maiores emissores (90%). Por essa razão, o guia recomenda incluir o escopo 3 (fabricação de materiais) no processo de seleção da construtora. Tanto o produto quanto sua quantidade”.

Francisco Dantas, diretor da Interplan, apresentou o painel “Rumo às Edificações Sustentáveis e Energeticamente Eficientes”. Em uma apresentação bastante técnica, o especialista exemplificou medidas para a máxima utilização da energia produzida por equipamentos como climatizadores e recuperadores de energia. A manhã fria que fazia em São Paulo serviu de exemplo. “Poderíamos utilizar o ar frio que já está pronto lá fora. Em todo projeto que entro, analiso em primeiro lugar o respeito pelo meio-ambiente e a qualidade do ambiente para as pessoas envolvidas na atividade”. Dantas esteve envolvido na construção do Salvador Shopping, Salvador Norte Shopping e o Riomar Recife. Entre as tecnologias utilizadas estavam o piso frio radiante e as vigas frias, medidas que reduziram consideravelmente o gasto energético.

A Greenbuilding Brasil – Conferência Internacional & Expo, é realizada pelo Green Building Council Brasil (GBC Brasil) e promovido pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, no Expo Center Norte, em São Paulo, de 27 a 29 de agosto. A entrada para a exposição é gratuita para os visitantes quem realizarem o pré-credenciamento através do site.

Marcado , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.