Linkedin revela: mulheres preferem equilíbrio entre carreira e vida pessoal ao invés de altos salários

A maioria das mulheres ao redor do globo (63%) define sucesso profissional como ter o equilíbrio perfeito entre trabalho e vida pessoal, e quase três quartos das mulheres (74%) acreditam que elas podem “ter tudo”, de acordo com o estudo* O Que As Mulheres Querem No Trabalho, divulgado hoje pelo LinkedIn, a maior rede profissional do mundo.

O estudo mostra que as mulheres brasileiras se sentem confiantes sobre suas carreiras e otimistas sobre suas capacidades de terem um trabalho gratificante e vida familiar. O significante número de 88% das entrevistadas consideram suas carreiras “bem sucedidas”, enquanto 85% acreditam que podem “ter tudo”. No entanto, sobre a questão de como filhos afetarão suas ambições de carreira, as mulheres estão divididas. O estudo mostra que 68% das profissionais brasileiras atualmente sem filhos acreditam que não vai desacelerar suas carreiras quando tiverem filhos, enquanto os 32 por cento restantes acreditam que irão.

Sucesso – Antes e Agora
Globalmente, a pesquisa identificou que o significado de sucesso profissional mudou drasticamente ao longo da última década. Enquanto hoje a maioria (63%) das mulheres profissionais define como sucesso ter equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, apenas 39% delas priorizaram esse fator cinco ou dez anos atrás.
Neste mesmo período, a importância dada ao salário para definir realizações profissionais diminuiu de 56% para 45%, enquanto “ter um trabalho interessante” despontou como um medidor de sucesso, com 58%. Para 71% das mulheres profissionais no Brasil, encontrar o equilíbrio certo entre trabalho e vida pessoal agora significa sucesso, o que de cinco a dez anos atrás era de apenas 33%. Ganhar um salário alto significava sucesso a 63% das mulheres brasileiras, agora, apenas 51% tem essa visão.

O Fator Flexibilidade

Em escala global, quase dois terços (65%) das mulheres gostariam de maior flexibilidade no local de trabalho e esse índice aumenta para 83% quando se trata de mães brasileiras que trabalham. Um ambiente de trabalho flexível foi colocado como o fator determinante de sucesso para a próxima geração de mulheres profissionais, de acordo com 90% das entrevistadas brasileiras, que consideraram isso mais importante do que ter “oportunidades de liderança” (75%).

“Conforme as mulheres foram progredindo em suas carreiras, suas definições de sucesso parecem ter se transformado. As profissionais modernas não estão lutando apenas por altos cargos e salários mais altos; as profissionais de hoje estão muito mais propensas a definirem sucesso como ter um trabalho interessante e gratificante e por serem capazes de equilibrar com êxito trabalho e vida doméstica”, diz Danielle Restivo, porta-voz do LinkedIn no Brasil.

Desafios na Carreira

As mulheres ainda enfrentam barreiras significativas para a carreira no ambiente de trabalho. Sessenta e cinco por cento das mulheres profissionais no Brasil afirmam que a falta de um plano de carreira é um dos maiores desafios em suas vidas profissionais. Além disso, a desigualdade salarial e a carência de investimento em desenvolvimento profissional foram também pontos relevantes destacados pelas mulheres no Brasil, sendo que cada um desses fatores representa 47% e 62%, respectivamente. Visto de uma perspectiva global, a falta de clareza no direcionamento da carreira (51%), seguido pela falta de investimento em desenvolvimento profissional (47%), foram os desafios considerados como os maiores inibidores do sucesso profissional.

“Felizmente, as mulheres executivas no Brasil vem conquistando reconhecimento no mercado de trabalho, porém, ainda há muito a ser construído. Para que isso aconteça, é fundamental que existam planos de carreira claros e que as empresas apoiem e estimulem o desenvolvimento de seus colaboradores, não apenas para gerar valor, mas para que se sintam encorajadas e valorizadas”, afirma Nadir Moreno, presidente da UPS e membro do Comitê Executivo do LIDE Mulher.

Questões como a existência de um “teto de vidro” (11%) e machismo no ambiente de trabalho (11%) não foram percebidas como preocupações generalizadas por mulheres profissionais brasileiras. Por outro lado, poucos países resistiram a essa tendência: 45% das respondentes na Alemanha e 39% na Espanha consideraram o “teto de vidro” como um desafio significante na carreira, enquanto na Índia, mais de uma a cada três mulheres (35%) afirmaram ter vivenciado situações de machismo no local de trabalho.

Apenas um grupo pequeno de profissionais acredita que a aparência tem um papel relevante em suas carreiras atualmente, sendo que 71% das mulheres no mundo todo afirmaram o contrário e desconsideraram que isso tenha grande impacto em suas carreiras. No Brasil, 76% das mulheres concordam que a aparência é irrelevante e 64% dizem que não traz grande impacto. Ainda assim, mulheres em diversos países creem que há impacto considerável da aparência física em suas carreiras, incluindo Alemanha (26%), Estados Unidos (21%) e Cingapura (20%).

Marcado , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.