Carros importados : vendas da Abeiva caem 12,8% em abril

No primeiro quadrimestre, o desempenho das associadas à entidade anota queda de 9,2%, enquanto o mercado interno recuou apenas 3,1%.

As empresas filiadas à Abeiva – Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores encerraram abril com 11.917 unidades emplacadas, total 12,8% inferior ante o mês de março, quando registrou 13.666 unidades. Se comparado a igual período do ano passado, a queda é de 28,1%. Em abril de 2011, a Abeiva emplacou 16.573 veículos importados.

“Ao comparar os dados de desempenho da Abeiva, em abril, com o comportamento do mercado interno brasileiro, os primeiros sinais da influência da alta do IPI começam a aparecer”, analisa Flavio Padovan, presidente da Abeiva. “Nós registramos queda de 12,8% em abril, enquanto o mercado anotou desaceleração de 13,8%. Mas na comparação entre abril deste ano contra abril de 2011, enquanto a Abeiva absorve uma queda de 28,1%, o setorassimilou 10,3%. Ou seja, quase 18 pontos percentuais de diferença”.

Com 47.380 unidades, as associadas à Abeiva também anotaram queda de 9,2% no primeiro quadrimestre do ano, ante as 52.161 unidades em igual período de 2011. O mercado interno também registrou queda, mas de apenas 3,1%. São 1.017.612 unidades neste quadrimestre contra 1.050.631 veículos emplacados de janeiro a abril do ano passado.

“Se analisarmos por dados de market share, o desempenho da Abeiva em abril último significou4,87% ante 6,07% em abril de 2011. E ao comparar os quadrimestres de 2012 e2011, o nosso market share caiu de 4,96% para 4,66%”, enfatiza Padovan, “apesar da difícil situação do setor de importação oficial de veículos automotores, nesse período o número de concessionárias pulou de 848 pontos de vendas em janeiro para 882 em abril último, aumento de 4%, mas essas nomeações já haviam sido feitas ao longo de 2011”.

Diante desse quadro, o presidente da Abeiva mostra-se muito preocupado com o setor. “A partir deste mês, os estoques de automóveis de nossas associadas com o antigo IPI devem estar chegando ao seu final. Portanto, certamente terão de iniciar o repasse de custos. Com isso, a tendência dos carros importados é de queda significativa nos volumes de vendas. A nossa preocupação é grande pois com a perda de competitividade tememos pelos empregos gerados no setor de importados que atualmente é de 35.000 trabalhadores, com uma rede de 882 concessionárias”, ressalta Padovan.

Por isso, o presidente da entidade reuniu-se várias vezes com o ministro Fernando Pimentel e com os representantes do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e do Comércio Exterior, no sentido de tentar viabilizar um sistema de cotas ou importações autorizadas, de modo a minimizar os efeitos catastróficos que o aumento do IPI de 30 pontos percentuais causou para o setor.

“Por meio do diálogo, esperamos sinceramente que o Governo Federal seja sensível aos apelos da Abeiva que, por meio de suas associadas, recolhe cerca de R$ 6 bilhões de impostos anualmente, consiga manter a atual rede de concessionárias ativa, garantindo os serviços de pós-vendas aos consumidores brasileiros e os empregos de cerca de 35 mil trabalhadores.”, finaliza Padovan.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.