Produção industrial deve continuar em queda nos próximos meses, diz professor da FGV

A produção industrial brasileira caiu 0,5% em março na relação com fevereiro, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (3). Na comparação com março de 2011, a produção diminuiu 2,1%.

De acordo com o coordenador do CEMAP-EESP-FGV e professor da Escola de Economia da FGV-SP, Emerson Marçal, o resultado está dentro do previsto. “A demanda começou a cair, ou seja, os consumidores passaram a gastar menos e a apreciação do câmbio, que provocou uma maior concorrência com os produtos importados, foram os principais motivos que desencadearam essa queda”.
Para os próximos meses, a tendência é de queda. “Os efeitos dos cortes de juros realizados pelo Banco Central podem gerar efeitos positivos sobre a atividade ao longo do ano. Enquanto isto não ocorrer, a produção industrial pode continuar caindo. Alguns setores industriais podem reduzir ritmo de contratações ou até mesmo demitirem.”

Vale ressaltar que esse resultado negativo não deve afetar o resultado do PIB. “A indústria contribui com uma parte pequena do PIB, por isso, o resultado agregado sofre influencia pequena da indústria e o PIB deve apresentar um crescimento maior do que a indústria”, diz Marçal.

A produção industrial deve fechar o ano com um crescimento tímido. “No final do ano, com os efeitos das reduções de juros sendo sentidos, a indústria pode crescer na casa de 1%. Os estímulos via crédito podem fazer com que algumas categorias de bens duráveis venham a reagir como o setor automobilístico, por exemplo”, finaliza Marçal.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.