Prova de conceito é aposta de empresas para projetos inovadores

WhatsAppFacebookLinkedInTwitterGoogle+EmailCompartilhar

Viabilizar a inovação no dia a dia da empresa, sem gastar muito, com agilidade e aumento das chances de sucesso. Esta é a nova estratégia que muitas empresas estão utilizando para oportunizar um novo negócio por meio do Proof of Concept Design (PoC Design). Trata-se de um laboratório experimental, com a utilização desta prova de conceito, para testar projetos e avaliar não apenas a sua viabilidade técnica, mas principalmente se os usuários desejam a solução e se estão dispostos a pagar por ela, antes de colocá-la no mercado.

A utilização do PoC Design é uma nova tendência que tem conquistado muitas empresas. Mas a metodologia não é novidade, a IBM já a utilizava na década de 80. A corporação queria uma solução para substituir as máquinas de escrever por computadores, com a ideia as pessoas falarem e o computador fazer o registro. Mas antes de desenvolver o projeto, reuniram potenciais clientes do software para simular a rotina com o novo programa. Com o feedback, a IBM entendeu que não valeria o alto investimento naquela época – ainda que a tecnologia fosse viável, aspectos comportamentais da época impediam sua adoção. Hoje, é comum a tecnologia Closed Caption nas TVs, e os Speech to Text , que converte a fala em texto, como GPS, Whatsapp, Gmail, Siri e o próprio Watson, da IBM.

Com a Apple não é diferente. Para chegar a um produto inovador como o IPhone foram realizadas muitas tentativas de produtos e serviços até chegar ao resultado final. Em 2004, a empresa chegou até a lançar um celular em parceria com a Motorola, o ROKR E1. Conhecido como o “pai do iPhone”, o modelo tinha um player com suporte às músicas do iTunes, em uma época em que ainda era comum a compra de músicas. A experiência foi um fracasso, mas a Apple adquiriu conhecimento sobre produção de celulares com a Motorola, que influenciou na criação do IPhone, lançado anos depois.

Grandes organizações têm orçamentos e equipes dedicadas à inovação, mas para a maioria das empresas a realidade é outra. Paulo Renato Oliveira, diretor criativo da Action Labs, empresa que trabalha com esta metodologia de modelar negócios, produtos e serviços inovadores, esclarece que muitas ideias acabam sendo descartadas até que se chegue a um grande produto.

“O produto ou serviço inovadores não surgem nas empresas com processos tradicionais. A inovação não é um momento de genialidade, mas um resultado de uma postura de negócios e de processos que tornam a empresa ´fértil` para inovação. É preciso criar rotinas e procedimentos que colocam a inovação no dia a dia da empresa. A experimentação, rápida e com custo relativamente baixo, pode virar uma rotina de negócios para empresas de todos os portes”, comenta.

As empresas que optam por trabalhar com PoC design estão descobrindo uma nova maneira de inovar para conquistar mais clientes e obter melhores resultados, com custo reduzido. “Com esta metodologia é possível dedicar 10% do orçamento para uma prova de conceito e, depois, ter muito mais chance de investir corretamente os outros 90%. É muito mais assertivo para se criar um novo produto ou serviço que tenha tração junto aos consumidores”, explica Paulo.

O processo de aplicação do PoC para um negócio leva, em média, entre 21 e 45 dias, dependendo da complexidade e desenvolve-se pelas etapas de imersão, ideação, priorização, prototipação e teste. O projeto Ei, Doutor! passou por este processo pela Action Labs. Paulo destaca que o desenvolvimento inicial previa uma complexa plataforma de gestão de dados, com a análise preditiva de condições de saúde dos usuários, ao custo de cerca de R$ 600 mil.

Paulo Renato Oliveira analisa que o PoC indicou que a plataforma seria “inútil” sem dados, pois as empresas e operadoras de saúde não tinham estas informações. Portanto, o projeto deveria começar falando com o usuário final, para que ele alimentasse estas informações, que seriam então compartilhadas com as operadoras de saúde.

“Antes de desenvolver a plataforma, criamos uma metodologia de captação das informações, que custou menos de 10% do valor. Isto se mostrou um produto tão essencial para o mercado que, no momento de investir na plataforma completa, nós já tínhamos receita para viabilizar o próprio desenvolvimento, com mais de 15 mil usuários na plataforma”, avalia o empresário.

Clêner Almeida, diretor executivo da Via Saúde, empresa fundadora do projeto Ei, Doutor!, explica que a plataforma foi criada com a Action Labs para tornar o negócio assertivo. “É um trabalho conjunto, finalizamos a primeira fase, mas estamos em constante atualização. Identificamos o melhor modelo, de acordo com a necessidade de absorção do mercado, e desenvolvemos a plataforma. Colocamos o projeto no ar graças a este tipo de ação. Sem isso, talvez teríamos seguido caminhos errados e mais longos”, detalha Clêner Almeida.

291 Total Views 1 Views Today
Marcado , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO

    CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO
  • Receba nossas notícias