mfk4xI0bB3O86zSpKssti_npJME

Busca no Blog

Categorias

Arquivo

Nuvem de Tags

ACSP ambiente de trabalho apl de software aplicativos apps Associação Comercial de São Paulo automóveis carga tributária carreira cloud computing comércio eletrônico consumo Copa 2014 crm curitiba e-commerce Facebook FIEP Fiesp Gartner gestão IDC impostômetro inovação Intel internet Linkedin livro mercado de trabalho mobile mídias sociais Paraná redes sociais RH sebrae smartphones software SPED startups tablets tecnologia tecnologia da informação turismo Valor Agregado vendas

16 milhões de brasileiros acessam a internet enquanto assistem à televisão, aponta IBOPE Media

Postado as 16:20 do dia 01/10/14

O fenômeno de acessar a internet enquanto assiste à televisão é um comportamento que vem se consolidando entre os internautas e, segundo o estudo Social TV, já é uma realidade para 16 milhões de brasileiros.

Desenvolvido pelo IBOPE Media para compreender os hábitos entre os que consomem conteúdo televisivo em diferentes plataformas, a pesquisa aponta que, embora a troca de mensagens por meio dos comunicadores seja a principal atividade online destes indivíduos simultâneos, 38% desses consumidores fazem comentários nas mídias sociais sobre os programas que estão assistindo na TV. Um aumento absoluto de 136% em relação a 2012, quando o IBOPE Media divulgou a primeira pesquisa sobre o tema.

De forma geral, o público feminino e os jovens se mostraram mais propensos a realizar atividades simultâneas que envolvam a sociabilização e o entretenimento. Analisando os dados das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, concluiu-se que 65% das pessoas que comentam sobre um determinado programa durante sua transmissão são mulheres e 66% estão na faixa dos 10 a 29 anos de idade.

Os fatos engraçados geralmente são os mais comentados – 64% dos paulistas e cariocas acreditam que esse tipo de episódio é o que mais gera repercussão, seguido dos eventos polêmicos (44%) e trágicos (25%). Ainda em São Paulo e no Rio de Janeiro, o estudo aponta que 80% do público que faz comentários enquanto assiste à TV já trocou de canal ou ligou a televisão para ver um programa que foi sugerido ou comentado em uma mensagem que recebeu pela internet.

Sobre o IBOPE Media
Maior empresa de pesquisa de mídia na América Latina, o IBOPE Media oferece soluções em audiência, investimento publicitário e planejamento de campanhas. Há 72 anos, a empresa disponibiliza informações fundamentais para a tomada de decisão nos negócios de mídia e se renova constantemente para retratar a evolução do consumo dos meios, em diferentes plataformas.

O IBOPE Media emprega aproximadamente 3.500 colaboradores e possui operações em 16 países na América Latina e um escritório em Miami (EUA). Acesse www.ibope.com para mais informações.

Comente! / Comportamento, Empresas, Mídias Sociais, Software, Tecnologia

6 dicas de como aproveitar o Ciência sem Fronteiras

Postado as 23:43 do dia 29/09/14

Por Eduardo Cetlin*

Em 2012, quando recebi a incumbência de receber os estudantes brasileiros que fariam estágio de três meses na Amgen dos Estados Unidos, via Ciência sem Fronteiras, percebi que esta era uma grande oportunidade para o desenvolvimento de novos talentos. A empresa acredita no poder transformador do projeto, principalmente para uma indústria tão inovadora como a farmacêutica de biotecnologia. Presente no Brasil desde 2009, a Amgen foi pioneira ao falar sobre biológicos e logo identificou a necessidade de fomentar a educação e a pesquisa científica no país.

Por isso, a participação no Ciência sem Fronteiras seria estratégica. Poderíamos mostrar aos jovens ainda em formação, e com pouco conhecimento prático, como funciona uma indústria de biotecnologia e o desenvolvimento de biológicos. Essa experiência fortaleceria a expertise nacional e incentivaria mais estudantes a buscar aprofundamento científico na área. Foi nesse cenário que nos tornamos a primeira indústria farmacêutica a apoiar o Ciência sem Fronteiras.

De lá para cá, a companhia já recebeu 27 estudantes nos Estados Unidos, que estagiaram em vários departamentos. Adotamos uma postura disciplinada no apoio a esses estudantes e nossa experiência tem sido excepcional, – um caso de estudo para muitas outras empresas. A razão para esse sucesso está em nossa abordagem: damos atenção especial para que eles possam aprender, entregar resultados, desenvolver sua rede de relacionamentos e decidir o que querem para o futuro. Seguem as principais dicas de como as empresas podem aproveitar o Ciência sem Fronteiras da melhor forma possível:

1. Tratar estudantes como profissionais da empresa: Todos os jovens assim que entram na Amgen são tratados como funcionários Amgen, por isso recebem projetos e trabalhos estruturados com prazos, apresentações e compromissos formais. É importante fazê-los entender as questões e os desafios de uma grande companhia para que assimilem particularidades do negócio de biotecnologia e se sintam parte da empresa.

2. Oferecer projetos desafiadores: o estágio não pode ser tratado como um cargo operacional nesse programa. A Amgen aloca esses jovens em projetos relevantes para a companhia e que oferecem excelentes oportunidades de aprendizagem e crescimento profissional. Essas atividades possuem princípio, meio e fim, o que proporciona acompanhamento e resultados concretos. Dessa forma, os estudantes se enxergam como membros ativos dentro da empresa ao entender o porquê de suas tarefas e compreender o impacto que podem exercer no negócio.
3. Ajudar na adaptação do mercado corporativo: Muitos dos estudantes têm o primeiro contato com o mundo empresarial pelo Ciência sem Fronteiras e para completar vivenciam tudo isso em um país de língua estrangeira. Trabalhamos para que entendam a importância de darem o salto do conhecimento acadêmico para o uso aplicado deste conhecimento visando a geração de benefícios concretos para a sociedade. Os resultados mostram que esses jovens melhoram a capacidade de comunicação executiva e interpessoal, principalmente, ao explicar conceitos científicos complexos para não-cientistas, e na adequação de textos e apresentações de acordo com o tipo de audiência.

4. Investir em mentoria: Todos os participantes trabalham sob a coordenação e mentoria de profissionais experientes, comprometidos com o aprendizado e crescimento profissional dos estudantes. Eles também recebem coaching semanal de líderes e se relacionam com a alta gerência da Amgen.

5. Fomentar laços com o Brasil: Durante o estágio, o contato com os líderes da Amgen no Brasil é frequente. O objetivo é manter o vínculo desses jovens com os negócios que acontecem na filial brasileira. Além disso, os participantes são recebidos por todos os executivos da empresa no Brasil quando voltam para o país com o intuito de apresentar a empresa e os negócios brasileiros e estreitar os laços para futuras vagas com o perfil dos participantes.

6. Dar apoio logístico: Sabemos também que uma estrutura básica de apoio logístico é necessária para que os estudantes possam ter sucesso no trabalho. É por isso que nosso programa de estágio oferece benefícios que incluem salário, moradia, ajuda de custo com transporte e acesso ao centro de fitness dentro da Amgen. Como estão longe de casa, e com limitada inserção na comunidade local, a Amgen oferece também atividades sociais nos fins de semana para ajudar a construir um espírito de coleguismo e trabalho em equipe entre eles.

Esperamos que outras empresas também passem a ver o apoio aos estudantes do Ciência sem Fronteiras como uma forma de contribuir para a formação dos inovadores do amanhã e que invistam na preparação e formação dos mesmos com seriedade e compromisso. Como disse Peter Drucker, um dos grandes gurus da administração moderna, “a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo”. É com orgulho que vemos um grande amadurecimento nos nossos estagiários. Muitos saem daqui com bastante clareza a respeito da carreira que querem desenvolver e não me restam dúvidas que voltam para o Brasil com uma perspectiva muito mais ampla para o futuro deles mesmos e do país como um todo.

*Eduardo Cetlin é Diretor de Responsabilidade Social da Amgen

Comente! / Carreira, Comportamento, Empresas, Gestão

O comércio eletrônico pode salvar os serviços postais?

Postado as 21:12 do dia 28/09/14

Por John W. Spelich*

Muito se comenta sobre o fato de que o serviço tradicional de correio pode estar sendo seriamente ameaçado pela internet. Isso porque a disseminação do e-mail, da propaganda, dos pagamentos online e de outras ferramentas de comunicação digital vem causando uma forte redução na receita dos serviços postais, já que em muitas partes do mundo as pessoas pararam de escrever cartas, folhear catálogos e ler mala direta postal.

No entanto, ao invés de acabar de vez com os serviços postais, a internet pode estar criando uma nova oportunidade para esse setor. O aumento do comércio eletrônico e das compras online (especialmente entre países) tem potencial para gerar um volume considerável de pequenos pacotes que os serviços postais podem absorver, processar e entregar a custos baixos. Porém é preciso que esses serviços se adaptem às demandas desse mercado que vem crescendo rapidamente. Segundo a Organização Mundial do Comércio (OMC), as vendas no varejo online internacional atingiram US$100 bilhões em 2013. Esse crescimento deve continuar, estimulado pelo aumento na base de consumidores de países em desenvolvimento.

O volume de transações da AliExpress – varejista multilíngue pertencente ao Grupo Alibaba – vem crescendo rapidamente, estimulado pelas vendas de comerciantes chineses para consumidores localizados principalmente na Rússia e no Brasil. Entretanto, tudo indica que estamos prestes a presenciar uma nova escalada do comércio eletrônico internacional. Numa tentativa de transformar a China – que atualmente tem foco em exportação – em uma economia de consumo, o governo local está implantando políticas que buscam aumentar a disponibilidade de produtos globais para consumidores chineses.

De fato, esta tendência não foi confirmada somente entre os países do BRICS. Mesmo em economias menos desenvolvidas, o comércio eletrônico já dispensa a necessidade de uma infraestrutura física para vendas no varejo. “Devido à falta de opções de compra convencionais, o comércio eletrônico se tornará a principal forma de compra no varejo na África”, como afirmou Sim Shagaya, CEO da Konga Online Shopping Limited, popular mercado eletrônico nigeriano.

Atualmente, os serviços postais já estão se beneficiando desse cenário. Os serviços de entrega de pacotes e de logística contribuíram com 17% da receita global dos serviços postais em 2012 comparado a apenas 9% em 2002. Estimasse que grande parte desse crescimento aconteceu devido ao crescimento do e-commerce.

Quando o assunto é distribuição de pequenos pacotes, os serviços postais tradicionais, com seus exércitos de entregadores e anos de experiência operacional em vários países, possuem uma vantagem competitiva clara em relação às entregadoras particulares. As entregadoras públicas também são parceiras no processo de entrega de mercadorias para micro, pequenas e médias empresas, que costumam utilizar os serviços de baixo custo de entrega postal.

No entanto, a fim de capitalizar em cima de suas vantagens, os serviços postais terão que se adaptar e cooperar de forma sem precedentes em sua história. O rápido crescimento no número de pequenos pacotes dentro do comércio internacional já está começando a testar a capacidade de algumas rotas de entrega.

Para eliminar gargalos e outras barreiras logísticas significativas, o comércio eletrônico global terá que investir em TI e infraestrutura física; melhorar as parcerias e a coordenação dos serviços postais, transportadoras e outras partes interessadas no mundo todo; além de padronizar processos alfandegários de pagamento e entrega.

As agências alfandegárias, por sua vez, precisam se reequipar para se conectarem digitalmente com os serviços postais, de forma a acelerar a passagem dos pacotes pelos seus sistemas. A entrega registrada de pacotes internacionais deveria ser mais barata e modernizada por meio de uma integração global de TI que permita um rastreamento online completo dos pacotes. Além disso, o crescimento do comércio eletrônico também tem sido afetado pela ausência de uma solução universal de devoluções internacionais.

É como afirmou Anne Miroux, Diretora da Divisão de Tecnologia e Logística da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento: “Comércio eletrônico é o negócio do futuro, e você está ‘dentro’ ou ‘fora’ dele. ”

Está na hora de todo mundo entrar.

*John W. Spelich é Vice-Presidente de Desenvolvimento de Negócios de Comércio Eletrônico Internacional do Grupo Alibaba.

Comente! / Consumo, Empresas, Gestão, Mídias Sociais, Software, Tecnologia

eBay oferece wi-fi grátis em grandes aeroportos brasileiros

Postado as 23:48 do dia 26/09/14

A partir deste mês, eBay lança parceria com a Boingo Wireless para oferecer Wi-Fi de graça aos passageiros dos aeroportos Guarulhos de São Paulo e Galeão do Rio de Janeiro. A ação apresenta também aos usuários, o novo formato de compras do eBay, Collections.

Com Collections, o eBay oferece uma espécie de curadoria, onde os consumidores selecionam objetos, itens, roupas, entre outras opções, que despertam sua paixão interna e assim podem criar sua própria coleção. Além disso, podem acessar diferentes coleções, e assim, explorar a plataforma baseada nos interesses comuns com outras pessoas.

Para acessar o Wi-Fi basta entrar na plataforma da rede Boingo, selecionar uma paixão entre as opções; moda masculina, moda feminina, videogames e consoles, eletrônicos, inspire-se e ofertas do dia. Quando o usuário seleciona a opção, a rede o direciona para a página correspondente do eBay, para os consumidores descobrirem o novo formato de compras, personalizado às paixões de cada. O Wi-Fi já está disponível e pode ser acessado via o website ou dispositivo móvel.

Comente! / Comportamento, Consumo, Empresas, Software, Tecnologia

Brasil IT+ apresenta amplo portfolio de soluções no Gartner Symposium/ITxpo 2014

Postado as 23:51 do dia 25/09/14

Com um pavilhão integrado por 18 empresas, o Brasil terá uma participação de destaque em seu 11° ano consecutivo como patrocinador do Gartner Symposium/ITXPO, o maior e mais importante encontro anual de chief information officers (CIOs) e de líderes da indústria de TI dos Estados Unidos. O evento será realizado de 5 a 9 de outubro em Orlando, Flórida, e deverá receber mais de 9.000 visitantes entre formadores de opinião, analistas, consultores, executivos com poder decisório em grandes e médias companhias norte-americanas, incluindo 2.700 chief executive officers (CIOs) e mais de 290 fornecedores.

A iniciativa integra o programa de internacionalização competitiva de software e serviços de TI gerenciado pela Softex em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Seu objetivo é fomentar novas oportunidades de negócios no mercado internacional e fortalecer a imagem de competência da indústria nacional de software e serviços de TI, identificada no exterior pela marca Brasil IT+.

Irão compor o pavilhão brasileiro Brasil IT+ no Gartner Symposium/ITXPO as empresas Actminds, Apdata, Aurus, BRQ, Grupo HDI, Icaro, Ilegra, MC1, Mercado Eletrônico, Milldesk, Navita, Siena Idea, Sikur, Softexpert, STA Holding, Stefanini, Tokenlab e TOTVS. Elas levarão para a mostra um portfolio robusto contemplando desde aplicações de segurança, mobilidade e big data, até Business Process Management (BPM), Enterprise Resource Planning (ERP), e-Procurement, help desk e service desk, até soluções baseadas em nuvem, desenvolvidas sob demanda e serviços de consultoria.

“Recebemos este ano o reforço de duas companhias de peso em nosso pavilhão, a TOTVS e o Mercado Eletrônico. Além disso, cinco das empresas que compõem a delegação brasileira já estão presentes nos relatórios do Gartner, gerando um círculo virtuoso entre a organização, o analista e o cliente final. Outro ponto de destaque é que 11 já mantêm escritórios próprios nos Estados Unidos”, ressalta Fernando Cariello, consultor da Softex responsável pela participação do país no evento.

Considerado um mercado-alvo estratégico, os Estados Unidos vivem um momento de aumento em investimentos em TI superior à projeção de crescimento econômico. “É um mercado verdadeiramente global. A origem do fornecedor realmente não importa. Os clientes estão procurando a solução, sendo ela um produto ou serviço que reflita as melhores práticas da indústria, siga as normas exigidas e possa ser integrado ao processo de negócio da organização”, complementa Cariello.

“A TOTVS enxerga o mercado americano como uma nova oportunidade de crescimento alinhada à estratégia da empresa de se consolidar como uma companhia global. É também um mercado enorme e entendemos que, ao mesmo tempo em que aprendemos com ele, temos oportunidade de levar um conhecimento único em soluções verticalizadas e nossa plataforma de colaboração. Com isso em mente, buscamos construir uma rede de parceiros que conheçam o mercado americano e estejam interessados em construir conosco um portfolio inovador focado para esse mercado. O GartnerITxpo, além de destacar as principais tendências do mercado de tecnologia, possibilita a exposição de nossas soluções integradoras a um grupo de pessoas e empresas que valorizam e demandam inovação”, analisa Marcelo Eduardo Sant’ana, diretor de Mercado Internacional da TOTVS.

Participando do GartnerITxpo pela primeira vez, a Mercado Eletrônico, empresa líder em fornecimento de soluções e serviços para as áreas de Compras e Suprimentos, também aposta no potencial do mercado norte-americano. “O e-Procurement do Mercado Eletrônico movimenta mais de R$ 60 bilhões todo ano e contamos com cerca de um milhão de fornecedores em nossa base”, afirma Nei Tremarin, chief marketing officer (CMO) da companhia. “Estes números, somados à nossa experiência e atuação global, nos permitem fazer parte do Quadrante Mágico do Gartner de Strategic Sourcing Application Suites. Detacar-se nesse estudo e estar entre as brasileiras presentes no GartnerITxpo 2014 reforçam nosso posicionamento de liderança na área de compras”, acrescenta Tremarin.

Cesar Bertini, CEO da MC1, líder na América Latina no fornecimento de soluções para negócios e processos por meio da mobilidade, acredita que “fazer parte deste encontro é uma grande oportunidade de estreitar o nosso relacionamento com os nossos atuais clientes e com os analistas que já conhecem o nosso trabalho, pois já fomos citados em um relatório. Esta presença nos permite aproximar de prospects e formadores de opinião, abrindo perspectivas de negócios, como já ocorreu no passado”.

O consultor da Softex lembra que as empresas brasileiras presentes ao GartnerITxpo 2014 já atendem clientes globais com as mais variadas necessidades em TI e se sobressaem em relação a outros players do setor por seu diferenciado capital tecnológico, tais como profissionais alinhados com a cultura ocidental, localização geográfica e fuso horário favorável.

Tendo como tema “Conduzindo o Negócio Digital” (Driving Digital Business) e como keynote speakers Satya Nadella, chief executive officer (CEO) da Microsoft, e Steve Wozniak, cofundador da Apple, Inc. e cientista chefe da Fusion-IO, esta edição do Gartner Symposium/ITxpo 2014 deverá receber 9000 expositores e ser visitada por 2.700 chief information officers (CIOs).

“Desde a nossa primeira participação no Gartner Symposium/ITxpo, em 2004, o evento se firmou como um dos mais importantes de nossa grade internacional. Podemos afirmar que a percepção do mercado norte-americano sobre a tecnologia “made in Brazil” mudou muito. Esse encontro não só permite apresentar ao mercado norte-americano nosso capital tecnológico, mas é também uma oportunidade para contatarmos formadores de opinião com poder de influência em decisões de compra e organizações com as mais variadas necessidades em TI”, avalia Gláucia Chiliatto, gerente internacional da Softex.

Comente! / Empresas, Eventos, Software, Tecnologia

Honeywell apresenta tecnologia desenvolvida no Brasil durante RFID Journal LIVE!

Postado as 17:25 do dia 24/09/14

Empresa expõe suas soluções, como leitores com RFID integrado, tags, antenas e impressoras. Carlos Conti, diretor-executivo para Sola, fará parte de painel de discussão que enfatiza o valor agregado oferecido pela tecnologia

Nos dias 24 e 25 de setembro, a Honeywell Scanning e Mobility irá participar do RFID Journal LIVE! Brasil, evento que tem como objetivo apresentar tendências do RFID, além de ressaltar suas aplicações e a forma como as áreas de negócios estão se beneficiando dessa tecnologia. Durante o evento, a Honeywell expõe suas soluções voltadas ao mercado, e ainda terá a participação de Carlos Conti como um dos palestrantes dos painéis que serão apresentados.

Dentre os produtos expostos pela Honeywell estão os leitores e os coletores de dados com RFID integrados, que atuam por UHF RFID, sem antena externa visível, tags, antenas e impressoras. Estes equipamentos possuem compatibilidade com impressoras, aplicações de software, comunicação, periféricos e acessórios, permitindo uma solução de negócio global para a empresa. Além de tecnologia de imagem avançada para digitalização, tolerância ao movimento e a pouca luz.

Na linha das impressoras, serão expostos os modelos que possuem RFID UHF e as tags RFID, que são soluções de alto desempenho e permitem uma variedade de aplicações, como sistema eletrônico de pedágio, estacionamentos, entre outros.

A participação de Carlos Conti será no painel “Como alcançar valor real nos negócios RFID. Porque sua empresa deve agir agora”. O tema visa ampliar a discussão sobre como as empresas podem ter vantagem competitiva com a tecnologia RFID e conquistar diferencial no mercado. O RFID permite ainda que as companhias aproveitem os dados imputados no dispositivo, gerando valor para outras ações.

“As tags da Honeywell são desenvolvidas no Brasil, em nossa fábrica em Itajubá (MG). Isso nos traz um grande diferencial de mercado, pois o produto está totalmente adequado às necessidades das empresas brasileiras e também com as normas vigentes no País. No RFID Journal Brasil, vamos destacar esse nosso Know How, enfatizando as diferentes aplicações dessa solução e os benefícios que oferece, como agilidade, mobilidade e segurança”, finaliza Conti.

Serviço
Evento: RFID Journal LIVE! Brasil
Data: 24 e 25 de setembro
Local: Espaço APAS – Centro de Convenções
Endereço: Rua Pio XI, 1200 – Alto da Lapa – São Paulo
Honeywell: Estande 6
Painel com Carlos Conti: Alcançar Real Value negócio de RFID-Por que você deve agir agora
Agenda: 24 de setembro, às 15h45.
I nformações: http://www.rfidjournalevents.com/brasil/portuguese

Comente! / Empresas, Eventos, Software, Tecnologia

Angeloni foca no e-commerce e investe em tecnologia de apoio aos negócios

Postado as 14:25 do dia 24/09/14

O Grupo Angeloni, posicionado entre as 10 maiores empresas no Ranking da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), projeta para 2014 um faturamento na média de R$ 2,3 bilhões. Além das 26 lojas físicas, a empresa também aposta no e-commerce e investe em soluções inovadoras para gerar negócios e crescer em 100% as vendas pelo canal, em 2014.

O Angeloni adotou o dynaTrace, solução de Gestão de Desempenho das Aplicações (APM), desenvolvida pela Compuware, para alinhar gargalos e otimizar o ambiente e-commerce, garantindo alta disponibilidade do site aos usuários. Para chegar a um diagnóstico de como aplicar a solução, a Compuware instalou o dynaTrace no ambiente e formatou um teste de carga real (Web Load Test 360). Com o resultado do teste, a Compuware integrou a funcionalidade User Experience Management (EUM), do dynaTrace, na plataforma e-commerce.

De acordo com o supervisor de Tecnologia da Informação, Jean Carlos Bitencourt, a aplicação EUM auxilia a área de TI a ter visão do cliente e da infraestrutura do website, permitindo a correção de falhas e baixos níveis de desempenho, com eficiência e agilidade. “A solução deu ao cliente a garantia de disponibilidade na navegação do site e, a Angeloni fornece estudos que norteiam ações de marketing, para geração de novos negócios”, considera Bitencourt.

Além disso, trouxe informações detalhadas, melhoria na análise técnica, monitoramento proativo com visão do ambiente fim a fim, e a capacidade de configurar dashboards, tanto técnicos como orientados ao negócio. Os dashboards apresentam as informações mais relevantes em um painel de controle, consolidadas e ajustadas em uma única tela.

A qualidade dos indicadores/dashboards, que entrega um mapa das origens dos acessos ao site, possibilita planejamento estratégico das ações de acordo como o objetivo da empresa. Em 2014, o Angeloni visa dobrar suas vendas pelo website, que já conta com aumento de 30% de visualizações e crescimento de 38% no tíquete médio de compras. A previsão é que grande parte do aumento das vendas venha do setor de eletrodomésticos que desde o ano passado expandiu a entrega para toda a região sul e sudeste do Brasil.

O dynaTrace e a aplicação EUM completam a suíte de gerenciamento do comércio eletrônico, pois utilizam uma curva de aprendizado sob o perfil das aplicações e produz um alarme quando há desvios dos padrões aceitáveis, apresentando indicadores que possibilitam mitigar a causa-raiz dos problemas. Com isso, os técnicos podem agir de forma proativa, impedindo a indisponibilidade do site.

Para o CIO do Grupo Angeloni, Gustavo Silveira Gaidzinski, a Compuware entregou o Raio X que apontou os gargalos do website. “Com base nesses dados, mexemos na infraestrutura do site. A reprogramação do ambiente garantiu o sucesso do nosso negócio. Acreditamos que ao colocar as funcionalidades da solução em prática aprimoramos o atendimento ao cliente, garantindo sua satisfação e fidelidade”, finaliza Gaidzinski.

Comente! / Empresas, Software, Tecnologia

Os perigos por trás de sites de conversão de arquivos

Postado as 14:55 do dia 23/09/14

Ferramentas online são uma ótima forma para converter arquivos em diversas extensões, sem necessariamente ter o software instalado no computador. Você já deve estar acostumado a usar sites para transformar arquivos PDF em JPEG ou docx em doc, mas saiba que alguns destes serviços podem esconder plug-ins que deixam a máquina mais lenta.

A praticidade destes sites é indiscutível, mas é preciso tomar alguns cuidados para a simplicidade não se tornar um tormento posteriormente. Um dos principais problemas apresentados é a instalação de adwares, programa que mostra publicidade indesejada em páginas da internet e até mesmo no próprio sistema operacional.

Outro problema bastante comum é que ao fazer a conversão de um arquivo online o usuário passa a receber spam via e-mail. Isso acontece porque algumas dessas ferramentas, para receber o arquivo convertido, exigem que seja informado um e-mail válido.

A maioria destes serviços é gratuita, mas alguns possuem uma versão paga que fornece mais recursos. Destes que tem um modelo pago, alguns ainda inserem uma marca d’água no meio do arquivo.

Ferramentas grátis para converter seus arquivos online de forma segura

PDF2JPG.net – uma dos sites mais simples para converter arquivos PDF em JPEG. Não precisa colocar e-mail, já que o site cria um link de download na própria página.

Zamzar – o mais completo deles. Suporta cerca de 1.200 tipos de arquivos diferentes e os converte em várias extensões. Precisa digitar e-mail para receber o link de download.

PDFtoWord – ferramenta simples, além de converter PDF para Word é possível converter PDF em Excel e PDF em PowerPoint. Precisa digitar o e-mail para receber o link de download, mas tem uma opção para não receber spam.

Cuidados

- Não instale nenhum arquivo .exe deste tipo de site ou enviados por e-mail;
- Baixe PSafe Total para bloquear qualquer tipo de adware ou vírus;

Dica de navegação

- Use o Psafe Internet para navegar sem anúncios invasivos, ele possui sistema adblock, que impede que propagandas possam ser usadas para distribuir alguma ameaça e blindam você contra boa parte dos perigos online.

Comente! / Uncategorized

Design Thinking: a estratégia do iPhone 6

Postado as 23:40 do dia 22/09/14

Por Marcos Morita*

Apesar dos céticos e críticos de plantão, os quais colocaram em dúvida a sobrevivência a longo prazo da Apple sem a ira e a genialidade de seu fundador e CEO, Steve Jobs, a companhia de Cupertino continua a encantar consumidores de todo mundo, fato comprovado na semana passada com o lançamento do IPhone em sua versão de número 6. Consumidores ávidos enfrentaram horas de espera em várias partes do mundo para ter em mãos o objeto de desejo. Algo raro, considerando um produto maduro.

Acredito que um dos principais pilares que levou e levará a marca adiante é sua preocupação extrema com o design, o que compreende não apenas a aparência, mas a tríade: usabilidade, retorno financeiro e viabilidade tecnológica, variáveis que compõem a metodologia conhecida como Design Thinking, cujo expoente máximo é Tim Brown, amigo de Jobs desde os tempos de universidade e fundador da IDEO, empresa de design que tem auxiliado empresas em todo o mundo a implantar o conceito.

A metodologia é composta de seis passos: compreender, observar, sintetizar, prototipar, iterar e implementar. Vejamos o caso da fabricante de peças para bicicletas Shimano, a qual contratou a IDEO para encontrar formas de expandir suas receitas no segmento de alta performance. Durante as discussões iniciais, os consultores da IDEO decidiram ir além, pesquisando a grande massa não adepta aos ciclismo, ampliando o escopo da primeira fase: compreensão1 ou definição do problema.

Saíram a campo, observando, conversando e descobrindo fatos inusitados. A maioria, por exemplo, associava o hábito a lembranças positivas do passado. Hoje fora de forma, sentiam-se intimidados por vendedores sarados em suas calças de lycra, discursando sobre os novos materiais e tecnologias. Outros por sua vez tinham uma na garagem com pneus murchos, correntes ou cabos soltos. Finalmente, a dificuldade em encontrar locais seguros para pedalar completavam o ciclo de desmotivação.

Coletadas as informações, especialistas de diversas áreas e com formações distintas: psicólogos, engenheiros, designers, sociólogos e administradores, trabalharam de maneira colaborativa na sintetização das informações, listando os principais problemas encontrados e partindo para uma solução completa e ampla, colocando a experiência do usuário no centro de suas preocupações através de uma abordagem holística, possível graças a diversidade de opiniões e experiências do grupo.

O próximo passo foi a prototipação, criando um modelo de bicicleta que fosse ao mesmo tempo tecnologicamente avançado e de fácil manutenção. O protótipo desenvolvido tinha guidom alto, selim confortável, um certo ar retrô, frenagem acionada pedalando-se ao contrário e pasmem, nenhum cabo. As marchas eram trocadas a medida em que o ciclista aumentava ou diminuía a velocidade. Simples, elegante e fácil de manusear e manter.

Uma vez pronto o protótipo era hora de iterar ou apresentá-lo aos potenciais consumidores, cuja opinião e sugestões eram levadas novamente ao grupo, os quais as analisavam e propunham novas soluções, refinando o produto final. Vale salientar que esta técnica é também utilizada no método conhecido como Lean Startup ou Startup Enxuta, criado por Eric Ries, sendo denominada como MVP ou Produto Mínimo Viável, cujo objetivo é diminuir os riscos no lançamento de produtos.

Por fim, a IDEO avaliou os demais pontos levantados pelos usuários criando uma solução holística, desenvolvendo um conceito denominado COASTER, o qual abrangia muito mais que uma simples bicicleta, mais um modo de viver a vida. Lojas foram remodeladas, vendedores treinados e locais para práticas de ciclismo seguro divulgadas em várias cidades, completando a implementação do projeto, cujo sucesso pode ser mensurado pelo número de fabricantes que abraçaram a causa.

Apesar da dificuldade em comparar bicicletas e celulares, qualquer semelhança não é mera coincidência. Permanecer horas em uma fila cercado por fanáticos e saber que felizmente nada mudará na elegância, no toque e na interação fácil e intuitiva, faz com que os usuários sintam-se confortáveis e familiares, razões que podem explicar tamanha lealdade, consequência da aplicação do Design Thinking, não obstante a falta que sentimos da calça jeans surrada, camiseta preta e tênis New Balance.

Marcos Morita é mestre em administração de empresas e professor da FIA-USP e Universidade Mackenzie. Especialistas em estratégias empresariais, é palestrante e colunista. Há vinte anos atua como executivo em empresas multinacionais.

Comente! / Empresas, Tecnologia

AVG alerta: vazamento de fotos não acontecem só em Hollywood, saiba como se prevenir

Postado as 21:15 do dia 22/09/14

Muitas celebridades foram surpreendidas nos últimos dias com a exposição de fotos pessoais na Internet, muitas delas nuas. Estima-se que mais de 100 personalidades tiveram suas contas invadidas e suas fotos expostas no site 4chan.org. Esse acontecimento reaqueceu a discussão sobre privacidade e segurança na Internet evidenciando a vulnerabilidade a qual se está exposto nos dias de hoje. Diante disso, a AVG Technologies, fabricante de softwares de segurança para computadores e dispositivos móveis utilizados por 182 milhões de usuários, apresenta alguns pontos aos quais os usuários precisam atentar para um uso mais seguro da Internet.

Alguns experts levantaram a possibilidade da invasão ter sido facilitada por uma falha na plataforma iCloud da Apple. A empresa está investigando, segundo informado em nota divulgada na última semana, mas afirma que não encontrou, até o momento, evidências de que as falhas tenham sido de responsabilidade dos programas da empresa.

Como uma das maiores empresas de segurança digital do planeta, a AVG acredita que esse caso foi apenas mais um lembrete de que, uma vez que a informação tenha se tornado digital, existem inúmeros riscos de segurança envolvidos. Infelizmente, esta é uma lição que grande parte dos usuários aprende da forma mais dolorosa. É como a atriz britânica Emma Watson descreveu em sua conta do Twitter: “Pior do que ver a privacidade de mulheres serem violadas nas mídias sociais é ler os comentários que demonstram a total falta de empatia com o caso”.

Pensando nesta e em outras situações de risco na rede, a AVG elaborou uma série de dicas para a proteção e privacidade on-line. Algumas podem até já serem corriqueiras para o usuário, mas vale sempre reforçar:

• Crie senhas difíceis: Apesar da especulação de culpa do iCloud, já foi sugerido que um ou mais hackers exploraram as senhas de cada uma das 100 contas invadidas. Ou seja, o melhor é não facilitar a ação dos cibercriminosos. Não use datas de aniversários ou outras datas comemorativas nem nomes e palavras de dicionário e crie senhas diferentes para cada conta on-line.

• Considere desligar o carregamento automático para a nuvem: Essa troca pode ser muito conveniente para a sua privacidade. Para desligar o compartilhamento automático do iCloud, vá até configurações, iCloud, e então vá até as fotos e mude a opção para Off.

• Use criptografia: Existem no mercado software próprios para smartphones capazes de proteger suas informações contra invasões ao criptografar seus documentos. Esse tipo de recurso é importante para qualquer um que guarde informações pessoais ou de negócios em seu aparelho de telefone móvel.

• Pense seriamente um usar um aparelho USB: Se você deseja compartilhar informações pessoas ou fotos com uma pessoa específica, porque não usar um pen drive ou outro aparelho USB? Pense nisso.
“Com esse ataque às celebridades, ficou evidente que as informação de todos estão em jogo todos os dias na Internet. Estamos diariamente vulneráveis aos ataques de hackers e esse caso deve ser um lembrete de que devemos nos responsabilizar de forma ativa pela proteção de nossas informações”, alerta Mariano Sumrell, diretor de Marketing da AVG Brasil.

Comente! / Mídias Sociais, Software, Tecnologia

Enquete

O QUE VOCÊ PROCURA NO VALOR AGREGADO ?

View Results

Loading ... Loading ...

Twitter

Vídeos

veja mais

Todos os direitos reservados